DESCUBRA QUAIS CARREIRAS ESTÃO EM ALTA NO PAÍS PARA SE DESTACAR NO MERCADO DE TRABALHO

No Brasil, as profissões mais promissoras atualmente estão nas áreas de construção civil, agronegócio, tecnologia, finanças, jurídica e vendas.

Essas carreiras não apenas oferecem bons salários – que podem chegar a R$ 90 mil em alguns casos! – como também têm ótima empregabilidade. Isso significa conseguir trabalho mais rapidamente, muitas vezes antes mesmo de obter o diploma.

Os cursos que formam os profissionais mais desejados do Brasil atualmente estão disponíveis, inclusive, na modalidade a distância.

Se você está buscando se posicionar no mercado e quer entrar com o pé direito em uma área aquecida, veja a lista que preparamos com as profissões que mais crescem no Brasil de acordo com diversas pesquisas de empresas de consultoria e recrutamento!

Engenharia

O investimento em infraestrutura, o rápido desenvolvimento do mercado imobiliário brasileiro, a descoberta de jazidas de pré-sal e a realização de dois mega eventos esportivos no País (Copa do Mundo e Olimpíadas) são apenas alguns dos tantos motivos que transformaram o Brasil num grande mercado para engenheiros.

As especialidades mais disputadas são as que lidam com inovação nos setores de Engenharia Civil, Telecomunicações, Energia, Petróleo e Gás. Habilidades com gestão de pessoas são um bom diferencial e podem render salários de até R$ 50 mil.

O que estudar:

Tecnologia da Informação

Profissionais que cuidam da infraestrutura tecnológica de uma organização estão sendo cada vez mais requisitados. Os motivos são a crescente demanda por tecnologia e inovação nas empresas, a necessidade de reforçar a segurança e o investimento em armazenamento e gestão de dados.

As áreas que estão crescendo mais rapidamente são as de startups (pequenos projetos inovadores, com base tecnológica) e as médias empresas. Os salários são atrativos, podendo chegar a R$ 50 mil.

O que estudar:

Finanças e Contabilidade

Outra área que recebeu um grande impulso nos últimos anos foi a de Finanças e Contabilidade. Com a crescente necessidade de reduzir custos e aumentar a produtividade geral, as empresas passaram a buscar profissionais que pudessem ajudá-las a cumprir este objetivo.

Cenários de instabilidade econômica também exigem uma maior presença e acompanhamento desses profissionais. Esse é outro motivo para a carreira estar em alta.

O salário de um diretor financeiro experiente, em uma grande empresa, pode chegar a R$ 90 mil!

O que estudar:

Profissionais de Marketing e Vendas

Devido à evolução do mercado consumidor e inclusão de novos grupos sociais, o brasileiro passou a ser mais exigente com aquilo que consome. Com o desafio de entender sobre esse novo perfil, as empresas recorrem aos profissionais de Marketing para ajudá-las a alavancar as vendas e continuar a entender os anseios dos seus clientes, gerando fidelidade e antecipando tendências diante dos seus concorrentes.

As empresas com maior demanda pelo profissional de Marketing estão nos ramos: farmacêutico, de bens e serviços, tecnologia e bens de consumo.

Os salários são interessantes, podendo chegar a R$ 25 mil!

O que estudar:

Agronegócio

O agronegócio é um dos pilares mais importantes da economia brasileira. O crescimento da produção para atender ao mercado interno ou exportar aumentou a demanda por profissionais especializados na área.

Sai na frente quem se dedica a pesquisar modelos e tecnologias ligadas à melhoria de produtividade, fortalecimento de espécies, enriquecimento de solos e tecnologias envolvendo toda a cadeia produtiva do agronegócio.

Os salários para gestores de alto nível pode chegar a R$ 70 mil!

O que estudar:

Educação

As políticas de inclusão e expansão da rede de ensino fundamental, médio e superior no Brasil abriram um campo de atuação enorme para os professores. Tanto que hoje é uma das profissões com maior empregabilidade no País, chegando a impressionantes 94,13% de acordo com pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Houve também um grande incentivo à formação em cursos de Licenciatura e de Pedagogia – este último está, inclusive, na lista dos que mais agregam alunos no Brasil, com 652 mil alunos atualmente.

O que estudar:

Meio Ambiente

O meio ambiente passou a ser um assunto de extrema importância para empresas e órgãos públicos de todos os portes e áreas de atuação. As mudanças climáticas, a pressão social por práticas mais sustentáveis e a necessidade de se preservar mananciais, matas nativas e animais provocaram uma grande procura por profissionais especializados na área.

As áreas mais aquecidas são gestão e planejamento, educação ambiental, certificação e recuperação de áreas degradadas.

O que estudar:

Fonte: www.guiadacarreira.com.br/profissao/profissoes-que-mais-crescem/

Advertisements

ENSINO À DISTÂNCIA – A EVOLUÇÃO ATÉ OS DIAS DE HOJE

Há muito tempo que o ensino à distância não é novidade. Inclusive, quem vê hoje as possibilidades extremas das ferramentas online pode não ter uma noção concreta de como esta forma de educação começou a ser moldada há mais de cem anos para chegarmos à experiência que temos hoje. Vamos dar uma passada na história do EAD para entender um pouco de como tudo aconteceu.

O começo e a evolução

Pelos idos de 1880, começou-se a buscar iniciativas que dispensassem a presença do aluno em uma sala de aula para aprender determinados tópicos. Era o pontapé inicial de uma grande revolução no ensino, que se dava através da imprensa e dos correios, buscando educar os desfavorecidos socialmente – em especial as mulheres, que no momento estavam longe de alcançar seus direitos mínimos. Esta foi, então, a 1º geração do EAD.

A partir da década de 20, chegou o rádio e, mais tarde, a televisão. Logo essas ferramentas passaram a ser utilizadas também. Os alunos recebiam todo o material didático por correio e tinham acesso às aulas pelo rádio e TV. Nesta 2º geração, porém, ainda havia praticamente nenhum contato com os professores. Mesmo assim, vemos até hoje iniciativas como o Telecurso 2000 levando conteúdo pela televisão.

Na década de 1970, não houve uma grande mudança nas ferramentas utilizadas, mas a atenção das universidades ao EAD garantiu o status desta época como 3º geração. Criou-se o conceito de Universidade Aberta, onde as instituições começaram a levar sua educação também para os não universitários, abrangindo sua atuação. O ensino a distância foi essencial neste processo, que era aliado à encontros no espaços acadêmicos, quando possível.

Chegando na em 1980, as teleconferências se tornam uma realidade um pouco mais palpável. O EAD sobe mais um degrau, permitindo agora interação mais fácil entre aluno e professor. Embora ainda não amplamente acessível, torna-se um passo importante para os projetos da área.

A revolução online

Já nos anos 2000, a internet chega para revolucionar o mundo e suas interações – obviamente, o ensino a distância não só também foi transformado, quando foi uma das áreas mais impactadas pela web. Pela primeira vez, aluno e professor tinham uma gama de ferramentas diferentes para ensinar e aprender na facilidade de um clique, com um nível de interação jamais visto antes. Surgiram diversas plataformas de ensino online que elevaram ao céu as possibilidades do meio e a coisa começou a crescer assustadoramente. A mais famosa delas, o Moodle, é uma plataforma de EAD open source criada nesta época. A educação a distância começou a ganhar escala de verdade e assumir seu papel revolucionário de vez: atingir uma quantidade de pessoas totalmente inimaginável para os padrões da educação tradicional. O conteúdo online passa a ser, inclusive, complemento às aulas presenciais. Em 2008, é criado o conceito de MOOC, sigla em inglês para Curso Online Aberto e Massivo. A ideia usar a co-produção para expandir cada vez mais o conhecimendo, de forma gratuita e usando a internet como meio. Diversas universidade hoje distribuem gratuitamente alguns dos seus cursos. O Coursera e o Udacity são grandes exemplos de agregadores desse tipo de conteúdo.

A 2ª revolução online

Após mais de uma década do impacto das ferramentas online de EAD, as mesmas ganharam maturidade e elevaram o método a um nível superior. Além das ferramentas que se consolidaram, a interface das plataformas evoluíram e se tornaram fator fundamental para explorar o máximo de um ambiente virtual de aprendizagem.

Hoje, três pilares se firmaram como pré-requisitos de uma boa plataforma online de EAD. Primeiro, uma interface simples e intuitiva tanto para o aluno, quanto para o professor, que tornará o ambiente online agradável. Depois, ferramentas educacionais diversas para explorar e apoiar o material didático. Por último, ferramentas gerenciais que facilitem ao máximo a vida do instrutor, ocupando-o apenas com que é importante: seu conteúdo e a interação com os alunos.

fonte do artigo: http://www.edools.com/evolucao-ensino-a-distancia-ate-os-dias-de-hoje/